Alguns tipos de composteiros
e sistemas de compostagem

Produzir composto é muito fácil, mas requer um tanto de constância, capricho e um pouco de trabalho braçal (muito pouco).

Convém notar que o termo "humilde" (do latim, humilis) está relacionado com as palavras "húmus" ou "humo" (do latim, humus ). Ou seja; o quê está mais embaixo de tudo é que faz o trabalho mais importante e quase imperceptível: reciclar o que morreu para poder renovar a vida.

Esta página apresenta alguns sistemas e artefatos que viabilizam a compostagem de resíduos orgânicos tanto individualmente quanto coletivamente.

Participar desse processo, promovendo humilde e tenazmente a compostagem do nosso lixo orgânico, é prática que nos religa a uma dimensão da vida da qual jamais deveríamos ter-nos afastado.

Acima e abaixo, uma bateria de cinco compostos ocupando uma área de 5 x 8 m (40 m2) na minicentral de compostagem comunitária em Visconde de Mauá, em operação ininterrupta há cinco anos.  A cada mês é confeccionado um novo monte, que recebe diariamente o lixo produzido em várias cozinhas próximas. Também durante o mesmo mês é usado um outro monte, confeccionado quatro meses antes, como poderoso adubo na horta associada à minicentral de compostagem .

Acima, em preto e branco, um belo composto produzido no cerrado brasileiro, há muitos anos .

Ao lado, central de compostagem no Ceilão (atual Sri Lanka), no século passado. Esta foto sempre nos desafia e estimula.

 

 

Abaixo, três exemplos de composteiros "individuais" usados em nossa região.


Acima, composteiro para ambientes fechados (sistema " minhocasa") e compostagem ao ar livre em três seções construídas usando madeira reciclada (à esquerda composto maturando; no centro, materiais novos recém depositados; e à direita, húmus pronto para uso). Abaixo, sistema de compostagem da Morada da Floresta , empregando ao menos 3 caixas, como na esquerda, ou uma bateria de caixas, como à direita (na Universidade Mackenzie, São Paulo) - conforme o volume de resíduos a serem reciclados diariamente. As caixas superiores vão sendo abastecidas de resíduos, alternadamente, enquanto as minhocas vão transformando o lixo em húmus. A caixa de baixo serve para recolher o líquido que escorre das caixas superiores - e é um poderoso fertilizante líquido.


Abaixo, esquema construtivo de um composteiro baseado no método do Prof. Luiz Toledo e divulgado na região por Norma Bühler. Ele é todo em alvenaria, com tubos para aeração (cuja entrada deve ser protegida com algum tipo de tela). Esse processo também está descrito no "Guia de Compostagem Caseira ".

Quer comentar essa informação? Envie seu comentário para contato@amigosdemaua.net e ele logo estará disponível para leitura aqui mesmo, e ser por sua vez comentado também.