.
Seminário de Agricultura Urbana
Introdução da prática nas comunidades
de Manguinhos, Arará, Jacarezinho e adjacências

Local:       Biblioteca-parque de Manguinhos
Data:        18 de agosto de 2012
Reunião preliminar realizada em 13/04/2012

.
Programação:

Hora Duração Atividade
09h30

30'

Abertura e apresentação dos presentes que quiserem se identificar de público
10h00

30'

1ª. apresentação: A agricultura urbana e periurbana e os desafios do futuro
Joaquim MouraABIDES, trabalha nesse contexto desde 1979 (
Mobral, prefeitura do Rio ). É consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD e da Caixa Econômica Federal para dinamizar a AUP no Brasil, e tradutor, para o português, das 25 edições internacionais da Revista de Agricultura Urbana .
10h30

30'

2ª. apresentação: A agricultura urbana no Brasil e diretrizes para o seu desenvolvimento
Ivana Lovo - Pós-doutoranda no programa de Pós-Gradução em Geografia / Instituto de Geociências da UFMG / Projeto Urbanat – tese doutoral: Agricultura Urbana, um elo entre o ambiente e a cidadania . Coordenou o projeto descrito na cartilha Jardins Produtivos – Cidades Cultivando para o Futuro – a experiência de Belo Horizonte, e coautora da pesquisa " Panorama da Agricultura Urbana no Brasil ", para o MDS.

11h00

30'

3ª. apresentação: A agricultura urbana na cidade do Rio de Janeiro - lições aprendidas 
Danielle Sanfins e Claudemar Mattos
AS/PTA (entidade voltada para a agricultura familiar, agroecológica, derivada da FASE, uma ONG muito prestigiosa atuando contra a pobreza desde 1961), que desenvolve projetos de AUP em andamento há anos na zona oeste e noutras do Rio de Janeiro.

11h30

45'

Troca de ideias com os apresentadores
12h15 

75'

Intervalo para almoço
13h30

60'

Apresentações de projetos de AU comunitários ou institucionais em andamento na cidade (e os desafios que enfrentam) e de propostas para novas iniciativas nas comunidades vizinhas. Todas as áreas mencionadas, já produzindo ou em potencial, serão registradas imediatamente em mapa (GoogleMaps e GoogleEarth) para futuras referências.

14h30

45'

Elaboração das propostas de prioridades, em face dos desafios identificados (análise em grupos e consolidação na plenária).
15h15

45'

Levantamento preliminar dos recursos – de todos os tipos - dos parceiros interessados, incluindo os recursos governamentais (municipais, estaduais e federais) e da sociedade civil, instituições, ONGs, empresas etc. em dinheiro, trabalho, transporte, produtos etc.
16h00

15'

Intervalo para lanchinho
16h15

45'

Consolidação das propostas, formação de um grupo de trabalho e definição de tarefas e responsabilidades.
17h00

15'

Encerramento

Público convidado: Fiocruz, Ministério da Agricultura, Projeto Favela Verde, Projeto Verdejar, AfroReggae, CUFA /Central Unida das Favelas, Secretarias municipais e estaduais de Ambiente, Planejamento e Assistência Social, Secretaria Estadual de Agricultura, Emater RJ, ...


Reunião

Reunião preparatória do Seminário de Agricultura Urbana (AU)
12 de abril de 2012

A ABIDES realizou nesta quinta-feira, 12/04/2012,na Biblioteca Parque de Manguinhos, reunião preparatória do Seminário “Agricultura Urbana e Periurbana na Micro-Região de Manguinhos/Jacarezinho”. O objetivo do encontro foi discutir e estruturar o Seminário que será um instrumento comunitário para avaliar a elaboração de projetos de AU na Micro-Região de Manguinhos/Jacarezinho na Zona Norte do Rio de Janeiro envolvendo comunidades desassistidas desta área, tendo em vista a promoção da qualidade de vida, geração de emprego e renda e a mobilização cultural das populações.

O evento foi coordenado pelo Presidente da ABIDES, Eng. Everton Carvalho que teve como mobilizador o ambientalista Joaquim Moura, Diretor da Associação Bem Viver de Visconde de Mauá e gestor do Mini Projeto de Compostagem de Visconde de Mauá. Joaquim fez uma apresentação sobre os impactos da agricultura urbana e periurbana na sociedade, citando vários casos de sucesso no Brasil e no exterior e descreveu as principais técnicas utilizadas em AU e seus impactos positivos para as comunidades.

A Biblioteca de Manguinhos participou da reunião representada pela Dra. Maura Santiago, ligada aos projetos socioculturais da instituição.

Participaram também do evento lideranças comunitárias, representantes de instituições com interesse social nesta área e organizações não-governamentais congêneres.

Na avaliação do Presidente da ABIDES, foi dada a partida para um processo de mobilização comunitária muito importante para a promoção da cidadania através de ações na área da produção de alimentos orgânicos, educação ambiental e geração de renda nas comunidades da área da Micro-Região Manguinhos/Jacarezinho. Em breve o projeto de seminário estará sendo enviado para os participantes do encontro e outros interessados neste processo.
Veja a ata mais detalhada a seguir


Ata da Reunião Preparatória do Seminário de Agricultura Urbana
da Micro-região de Manguinhos/Jacarezinho

  • Data: 12/04/2012
  • Horário e local: das 14hs às 17hs, na Biblioteca-Parque Manguinhos/sala Meu Bairro (Av. Dom Elder Câmara, n.1184)
  • Presentes: Neila; Ana Paula, Beatris, Negra Rê, Maura, Márcio, Silvina, Taís. Coordenação: Joaquim Moura (Associação Pró-Bem-Viver Visconde de Mauá) e Everton Carvalho (ABIDES)
  • Sistematização: Taís R.Borges
  • Pauta/Objetivos:
    1. Contextualizar o tema da Agricultura Urbana na microrregião de Manguinhos / Jacarezinho, na cidade do Rio de Janeiro
    2. Desenvolver preliminarmente uma programação para o Seminário de Agricultura Urbana na microrregião de Manguinhos.

Ata:

1) Apresentação dos participantes:

  1. Joaquim Moura: fundador da Coonatura (1979-1999); trabalha com AU e  compostagem há 30 anos, traduz a Revista de Agricultura Urbana, e foi contratado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) em parceria com o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) para fazer o Portal da Agricultura Urbana (veja aqui o “rascunho” da proposta: agriculturaurbana.org.br/portal). Atualmente reside e atua em Visconde de Mauá.
  2. Negra Rê: rapper e militante cultural da comunidade do Arará, faz rap voltado para o incentivo à cultura. Diz que nunca tinha ouvido falar de agricultura urbana, mas que cresceu vendo sua avó jogar cascas no quintal nos pés de árvores e plantas e que quase todo mundo em sua comunidade tem alguma horta pequena no quintal. Julga a iniciativa muito importante, sobretudo para aquelas famílias que vivem de bolsa família e ficam desesperadas, sem saber o que fazer quando a bolsa acaba. Essa iniciativa seria uma saída para que essas famílias tivessem mais autonomia/independência. Sugere que se use a música para atrair as pessoas para esse projeto.
  3. Márcio: líder comunitário e empreendedor de iniciativas de agricultura em sua comunidade (Tuiti/São Cristovão). Diz que os lideres comunitários de maneira geral estão muito preocupados com problemas urgentes como a violência e a situação dos barracos. Muitos não entendem a importância da agricultura para a autonomia/independência das pessoas de plantar seu próprio alimento (se tiver uma guerra, por exemplo). Ressalta a importância da conscientização da comunidade em um trabalho como esse. Sente falta de algo concreto, quer um projeto piloto.
  4. Silvina (Abides): relembra a importância dos quintais para a agricultura nessas comunidades.
  5. Beatris: trabalha na Fiocruz na cooperação social com projetos de segurança alimentar em Manguinhos.
  6. Neila: professora de biologia, já trabalhou em diversos órgãos ambientais como Feema, INEA etc.
  7. Taís: trabalha na Fiocruz e faz parte da rede ecológica, interessada no tema e tem contato com organizações que trabalham com o tema: Inverde: (inverde.wordpress.com/ e www.facebook.com/#!/inverde); Cidades em Transição ( http://transitionbrasil.ning.com/); Instituto de Pesquisa Ecológica ( http://ipe.org.br/); Rede Ecológica ( http://www.redeecologicario.org/); Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro ( http://articulacaorj.blogspot.com.br/). Também acha que poderia ter sinergia o Instituto Elos ( http://www.institutoelos.org/).
    h. Ana Paula: trabalha com a Beatris Fiocruz na cooperação social com projetos de segurança alimentar em Manguinhos.
  8. Maura: geógrafa, moradora de Manguinhos, trabalha na Biblioteca-Parque e em cursinho pré-vestibular comunitário (o cursinho pode representar uma inserção para o tema).

2) Agricultura urbana – panorama

  • Joaquim lembra sobre a importância da compostagem para a agricultura: ela é importante para dar continuidade ao ciclo da sustentabilidade, na medida em que serve como adubo para as plantas (reeintroduzindo nutrientes essenciais, como nitrogênio) e dá uso ao lixo orgânico (evitando que ele vá para lixões, esgotos etc, poluindo as águas e solos).
  • Joaquim apresentou um powepoint com informações sobre o projeto de compostagem super interessante.
  • Também é necessário repensar o saneamento, uma vez que ele se mostra pouco lógico: mistura-se muita água com as excreções humanas para depois separá-las novamente.
  • Existe uma dificuldade cultural na implantação da agricultura urbana: as pessoas estão acostumadas a consumir o alimento e não a plantá-lo e, segundo conta Joaquim, algumas pessoas não querem plantar pois acham que é um sinal de que estão mal de vida.
  • Importância da agricultura urbana para a segurança alimentar: ela diversifica muito a alimentação das pessoas e aumenta a frequência do consumo de hortaliças etc.
  • Agricultura urbana também é importante para a resiliência das cidades. Quando o furacão Katrina assolou Nova Orleans, os bairros vietnamitas onde se costuma plantar alimentos enfrentaram menos dificuldades.
     

3) Proposta para o Seminário:

  • A proposta é realizar um seminário para discutir a inserção da agricultura urbana em comunidades do entorno da Biblioteca de Manguinhos, articulando potenciais parceiros e apoiadores para construir um projeto piloto de agricultura urbana na região.
  • É muito importante que os líderes comunitários estejam envolvidos. Negra Rê sugere que se use a música para atrair as pessoas para esse projeto.
  • Ideia para o seminário: mostrar um mapa para que os participantes identifiquem áreas potenciais para que o projeto aconteça.  

4) Iniciativas citadas na reunião:

  1. Colônia Juliano Moreira (campus Mata Atlântica da Fiocruz)
  2. AS-PTA (ligada à Fase), em Campo Grande (coordenador: Marcio Mendonça)
  3. Projeto Verdejar – Morro do Alemão e Vila Cruzeiro (onde era a casa do dono da Pedreira)
  4. Centro de Apoio à Agricultura Urbana do MDS (em 13 regiões metropolitanas brasileiras, sendo uma delas o Rio de Janeiro)
  5. Projeto de agricultura urbana em Belo Horizonte, o "Jardins Produtivos: Cidades Cultivando o Futuro”, coordenado pela Ivana Lovo, integrante da REDE, certificado pela Fundação Banco do Brasil como Tecnologia Social. Disponível em: http://www.fbb.org.br/tecnologiasocial/detalhar-tecnologia-400.htm. Joaquim diz que esse projeto é uma boa base para pensarmos o piloto (o projeto incluiu um trabalho sério de pesquisa e mapeamento prévios – de lugar potencial, de capital social, do que as pessoas comiam e em qual quantidade, qual era a renda média, etc., e tornou a pesquisar um ano depois para medir os resultados).
  6. Comunidade agrícola de Higienópolis (atrás da passarela 21) – está desativada, mas é um potencial lugar para um piloto.

5) Planejamento.

  1. Divulgação desta ata para os participantes e demais interessados no seminário.
  2. Elaboração de uma proposta do Programa do Seminário para ser apresentada ao “coletivo” (atual-provisório) para colher sugestões.
  3. Elaboração final do Programa do Seminário.
  4. Desenvolver e colocar em prática um programa de Comunicação e Mobilização para o Seminário.
  5. Indicar a data do seminário.